A política sexual da carne

Uma teoria feminista-vegetariana

Autora: Carol J. Adams
Ano: 1990
Tradução: Cristina Cupertino
Cidade: São Paulo (SP)
Editora: Alaúde

1ª Edição
Ano: 2012
Páginas: 350

2ª Edição
Ano: 2018
Páginas: 384

Descrição: Uma teoria complexa e consolidade. Os princípios de um regime alimentar cada vez mais em voga no mundo todo. Unindo feminismo e vegetarianismo, Carol J. Adams apresenta neste "A política sexual da carne" argumentos racionais e convincentes sobre a estreita ligação entre a dominância masculina e o ato de comer carne. Publicada pela primeira vez no Brasil, esta edição comemorativa de 20 anos traz o texto de uma das principais referências teóricas para a compreensão e o estudo das influências de uma sociedade patriarcal nos hábitos alimentares e na relação de seus membros com as mulheres e os animais. É impossível ficar indiferente à tese defendida por Carol J. Adams de que a matança de animais e a violência contra a mulher estão intrinsecamente ligadas. Mais que pregar uma dieta sem carne, esta obra polêmica e provocadora promete estimular as reflexões e os debates necessários para que se construa um mundo mais igualitário. 2ª Edição: Unindo feminismo e vegetarianismo, esta obra de Carol J. Adams vem transformando a maneira como milhares de pessoas enxergam o mundo desde o seu primeiro lançamento. Com argumentos sólidos e consistentes, o livro demonstra a estreita ligação entre a dominância masculina – e a consequente cultura de violência contra a mulher – e o ato de comer carne. A nova edição brasileira traz um novo posfácio com imagens que ajudam a sustentar a ideia defendida por Carol, à qual é impossível ficar indiferente. Assim, A política sexual da carne é uma obra de leitura obrigatória para refletir sobre as relações entre homens, mulheres e animais na luta por um mundo sem opressão.

Capas (clique para ampliar)

1/1

2020 - ONG Maringá Vegano 

CNPJ 27.018.695/0001-95

  • instagram
  • facebook
  • twitter
  • whatsapp

Atenção! Horários de funcionamento ou serviços podem estar diferentes devido aos decretos do COVID-19.